Blog

Seguro do carro: qual a diferença entre franquia e coparticipação?

O seguro do carro se tornou um item indispensável e obrigatório para quem adquire qualquer veículo. Independente da modalidade de pagamento do contrato, se por franquia ou coparticipação (ou os dois juntos), a procura por seguros segue alta mesmo com o aumento dos preços de carros novos ou usados.

Há muito o que falar quando o assunto é seguro de carro: tipo de contratação, corretoras e seguradoras, diferença de preços de acordo com a idade e gênero dos motoristas, tipos de cobertura, serviços extras embutidos no contrato… A lista é longa.

Neste artigo, nos aprofundaremos em um item específico do seguro: a forma de pagamento diante da ocorrência de um sinistro.

O que é franquia?

A franquia é um valor que o contratante deve desembolsar caso se envolva em uma ocorrência e precise acionar a seguradora. Este valor é cobrado apenas em caso de conserto do veículo do próprio contratante (Seguro de Casco), e se o dano for parcial.

Por exemplo: você tem um seguro cujo valor da franquia é de R$ 2.000. Você bate o carro e o valor do conserto fica em R$ 5.000. Você pagará apenas os R$ 2.000 da franquia – que é o valor que você assumiu (ou franqueou) em caso se sinistros. Os outros R$ 3.000 serão pagos pela seguradora. Se o conserto ficar em menos de R$ 2.000, é você que terá que pagar.

O preço da franquia varia de acordo com cada caso, já que diversas informações são consideradas, inclusive o perfil do condutor. Não há cobrança em casos de perda total.

Se o gasto for apenas com um veículo de terceiro (Seguro RCF) – e caso a apólice contemple terceiros – a taxa da franquia não é requerida e a seguradora assume o gasto, desde que o valor não seja superior ao acordado em contrato.

Essa sistemática só é considerada em situações onde o segurado é responsável pelo dano, como quando ele bate o veículo e a seguradora prova que a culpa foi dele.

Para que serve a franquia?

Mas se o segurado já paga o seguro, por que ele deve pagar por parte do conserto? A franquia é uma estratégia que as seguradoras utilizam para que o segurado não cause intencionalmente danos em seu veículo com o intuito de desfrutar do seguro.

Sabendo que o seguro não cobrirá todos os custos com o conserto caso você cause um acidente ou danos em seu veículo, é possível afirmar que você terá muito mais cuidado ao conduzi-lo.

Sendo assim, a franquia tem como objetivo garantir que os segurados tenham mais zelo e cuidado ao conduzir o veículo.

E a coparticipação?

A coparticipação é a possibilidade do segurado dividir os gastos acima da franquia com a seguradora em caso de sinistros. Mas… por que alguém faria isso?

Por isso pode baratear o custo da apólice – e da própria franquia. Sabendo que você vai arcar com uma porcentagem dos custos em caso sinistro, as seguradoras aceitam baixar o valor dos contratos.

O que compensa mais?

Não é possível afirmar que modelo é mais compensador. A coparticipação tem a vantagem de deixar o custo com o seguro mais baixo, mas, em caso de sinistro, o segurado também terá um custo adicional. E quem garante que nenhum sinistro vá ocorrer?

No modelo de franquia, a segurança para o segurado é maior, mas o valor do seguro também. Neste caso, a redução do risco tem literalmente um preço!

Terceirização de frota

Se você é gestor de frotas em empresas, sabe que o seguro dos veículos é uma grande preocupação. A não ser que você já tenha sua frota terceirizada.

No modelo de terceirização de frota da Let’s, você não precisa se preocupar com seguros. Com uma frota terceirizada, você também não precisa arcar com manutenção, revisão, documentação, compra de peças, entre outras preocupações inerentes ao controle de patrimônio próprio.

Assim, você se concentra no que de fato importa para sua empresa, tornando-a mais eficiente.

Em nosso blog há outros artigos que explicam ainda mais como funciona a terceirização de frotas. Acesse todo nosso material, compartilhe e, em caso de dúvidas, entre em contato.

Tags:

, , , , ,

Você também pode gostar